segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Atelier Dinossauro - desafio aceite

Fantástico segundo post em um só dia :)

Mas não podia deixar de registar a actividade de hoje. O que fazer num dia de muito frio com um pequeno de 3 anos cheio de energia e vontade de aprender?

O Leo ganhou um livro sobre dinossauros que ele adora, explora o livro vezes sem conta. O livro tem imagens muito apelativas e algumas páginas são desdobrável.



E não vindo mais enquadrado à motivação do Leo, hoje a querida Ana Paula do Journal de Béatrice, (quem não conhece não deixe de passar por lá) lançou-me um desafio e mal o Leo chegou da escolinha lá fomos nós colocar as mãos na massa.

Atelier Dinossauro:

Nós também optámos pelo Diplodocus ou segundo o Leo, depois de explorar mais uma vez o seu livro, também poderá ser um Supersaurus, ambos herbívoros e pertencentes ao grupo dos maiores dinossauros.

- Recorte, pintura e montagem;



- E diversão; 


E como diz a Ana Paula, no meio da diversão aprende-se um pouco da história da Terra, da existência dos dinossauros, com um vocabulário simples e adequada à idade dos nosso pequenos.

Adoramos a nossa tarde, mais uma vez obrigada Ana Paula.

Agora ficou a promessa de fazer uns dinossauros voadores e uns carnívoros :)

Montessori: Adaptação do espaço da criança aos 3 anos - Parte 1

Bom Dia!
Queria muito agradecer o carinho e a força que me deram no último post tanto aqui como no facebook. Adoro-vos :)
O quadro clínico está estável e já estamos nas 33 semanas, cada dia uma vitória. 
Estou em casa a descansar a ser mimada pelos meus homens :) e vou 2 vezes por semana ao hospital para controle. Sinto-me mais tranquila.
E o bebé está óptimo.

------------------------------------

Quem conhece Montessori sabe que o ambiente que envolve a criança, o ambiente onde ela cresce  tem uma grande importância. Desde o primeiro dia de vida, os bebés devem sentir que pertencem à família e que têm o seu lugar em casa. E tal não é sinónimo de que a nossa casa se tenha que transformar numa casinha de bonecas. Pequenas adaptações no mundo dos crescidos bastam para proporcionar uma vida mais segura e justa para os nossos pequenos.

Basta organizar a nossa casa de forma que o nosso filho se sinta independente e autoconfiante tendo sempre em conta o seu bem-estar e segurança. Mantendo a casa organizada e a pertencer a todos, aos pequenos e grandes, tal conduz a um desenvolvimento mais equilibrado da criança.

Naturalmente que as nossas casas estão orientadas e pensadas para adultos, as casas de banho, os móveis... mas as crianças são muito pequenas, imagina as dificuldades que esta encontra? Umas pequenas adaptações e a criação de espaço de liberdade sem ser necessário dizer "não faças", "não mexas" só traz vantagens. 

Uma criança para se sentir bem e acolhida não precisa de muitos brinquedos e móveis caros. Basta um espaço que possa chamar de seu, um espaço em que se sinta livre para se desenvolver e que este esteja integrado no espaço dos adultos para que se sinta aceite, organização (esta sim faz toda a diferença, a organização tanto do espaço como da rotina da criança faz toda a diferença no seu humor e concentração) e muito amor e carinho.

Já falei das adaptações feitas cá por casa aqui e aqui (para quem não leu vale a pena clicar). E agora que o Leo já fez 3 anos algumas coisas foram mudando. Ele está mais crescido e independente e a nossa casa foi crescendo junto. 
Hoje abro as portas para vos mostrar o nosso lar.

Sala de estar: 
Este é o sitio em que passamos mais tempo juntos. O sofá, a estante de livros e a música são o ponto comum da família (não temos TV). E a sala fica completa com o cantinho do Leo. 


O armário dos brinquedos, a mesa com os cestos de Legos Duplo onde ele passa grande parte do seu tempo (é viciado em Legos :)), a mesinha de trabalho onde ele faz os seus desenhos ou brinca com massa de moldar e o quadro onde pode brincar com giz ou pintar com aguarelas em papel.

O armário de brinquedos ao qual ele tem total acesso, dividido em categorias: a primeira prateleira com livrinhos de actividades e muitos papeis, canetas, lápis, pinceis e tintas, carimbos, cola, tesouras com os quais ele pode criar o que lhe apetecer :)
A segunda e terceira prateleiras são alteradas conforme a motivação do Leo :) de momento temos a massinha de moldar, os cilindros sonoros (feitos pela mamã), um dominó, um jogo de memória, um tangram e os Legos mais pequenos.  

O cantinho das artes :) e as suas vasourinhas para manter a limpeza do seu cantinho.

Casa de Banho:
Aqui as adaptações também foram bastantes. O Leo consegue sozinho usar tudo sem ajuda, fazer as suas necessidades (chamando a mamã só de vez em quando) lavar as mãos, os dentes, pentear-se, está tudo de forma segura ao seu alcance, com o uso de um redutor sanitário, e uns banquinhos ficou muito fácil.



Cozinha:
Aqui as adaptações são menores agora, o cantinho da água self-service deixou de existir pois o Leo prefere servir-se directamente da mesa grande -  ele já é grande não é verdade :) 
Continuo a arrumar as louças que ele precisa e os alimentos, iogurte e leite  nas prateleiras mais baixas dos armários e frigorifico respectivamente. Mas caso ele queira alguma coisa fora do alcance eu que me livre de o ajudar... ele mesmo quer fazer sozinho, puxa uma cadeira sobe e pega o que deseja. Torna-se um pouco mais perigoso mas tento estar sempre de olho. E ele é cuidadoso.

Entrada: 
Um móvel pequeno para os sapatos e uma estante para colocar casaco, cachecol, luvas e afins estão à disposição do pequeno. 
E como ele mudou, como já falei por aqui o Leo sempre foi preguiçoso no quesito vestir e despir, calçar e descalçar, agora desde que frequenta a escolinha Montessori só quer fazer sozinho. E a mamã aqui agradece que com esta barrigona não fica fácil :)

Estas são as pequenas adaptações no nosso lar, as quais têm vindo a acompanhar o crescimento do Leo. No próximo post mostrarei o quarto.

Boa Semana

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Relato de uma gravidez de risco – HELLP SINDROME!


Depois da bonança também pode vir a tempestade...
Um Verão e os últimos tempos tão bons e hoje escrevo-vos a partir de uma cama de hospital...

Como quem já me conhece sabe estou na minha segunda gravidez seguida de de uma gravidez com um final bastante perturbado.
HELLP SINDROME é o nome que me acompanha deste o nascimento do Leo, uma doença de grávida que ocorre tão raramente que não existem estudos fiáveis das suas causas e que se do que se pode fazer para evitar o seu desencadeamento.

Adiei um pouco a segunda gravidez por medo mas a vontade de dar um irmão ao Leo é maior. E aqui estou eu grávida de 32 semanas e alguns dias, para mim é já uma conquista.
Todo o empo até aqui foi feito a contar as semanas conseguidas e não as que faltam... Fazendo todos os cuidados possíveis para evitar o desenrolar menos esperado, e a nuvem negra do HELLP volte a assombrar-me. Mas como já disse não há como evitar, simplesmente, posso deixa acontecer e permitir o melhor acompanhamento médico possível e a minha melhor condição física, para aguentar com o que possa acontecer.

Eu acreditava e culpava-me de ter feito alguns erros na última gravidez, achava que podia dar conta de tudo sozinha, trabalho, casa, mudanças e ia fazendo... mas agora sei que mesmo fazendo muita atenção, deixar casa em segundo plano, descansar muito, beber muitos líquidos e a natação não me livram de um grande susto. Garantem-me pelo menos uma maior disposição e capacidade física para enfrentar a doença.

Estou consciente que o HELLP pode sim acompanhar-me novamente e a única coisa que posso fazer é estar atenta a qualquer alteração no meu corpo e não ignorar como fiz da ultima fez achando que gravidez era assim mesmo.

Grávidas de plantão deixo aqui o meu alerta: façam um pré-natal consciente e fiquem atentas a cada alteração no corpo, gravidez não tem que ser dolorosa, não tem que ser um incomodo, não tem que ser passada com o corpo inchado ao limite.... Gravidez não é doença - se doer pode ser sinal que qualquer coisa não está bem – fiquem atentas.

Ignorei muito mau estar na minha última gravidez afinal “achava eu” tinha que ser eu estava grávida.
Desta vez estou muito mais atenta e embora não possa evitar o HELLP posso enfrentá-lo com mais força e confiança.

Estou desde sexta-feira no hospital, uma dor estranha no interior do calcanhar esquerdo já me andava a chatear fazia uns 3 dias fui ao médico de família e por surpresa minha a tensão arterial estava alta, tinha vestígios de proteína na urina e a dor do pé poderia ser indícios de trombose – o pior diagnóstico possível para quem é acompanhada pelo historial do HELLP.

Fiquei de rastos. Fui imediatamente encaminhada para a clínica que me acompanha a gravidez. E depois de muitos exames soube que o bebé estava bem e a tensão começou também a diminuir.
Estou aqui em observação embora o quadro esteja estável mas a minha história anterior não permite vacilo.
Fico aliviada que o problema não seja com o bebé, o problema é comigo e eu é que tenho que estar alerta.

Já levei 2 injecções para ajudar no desenvolvimento do sistema respiratório do bebé caso tenha que nascer mais cedo.

As dores no calcanhar continuam mas as hipóteses de trombose depois de um exame minucioso foram descartadas. Aparentemente as dores devem-se a um problema no nervo e serei encaminhada para um ortopedista . Como e porquê as dores surgiram ainda não sei. E o porquê da tensão alta e da proteína na urina e a relação com a dor ainda estão por explicar. E este fantasma do HELLP-SINDROME acompanha-me.

Agora resta-me manter a calma.provavelmente amanhã irei para casa e o acompanhamento médico irá continuar. Nada como confiar nos médicos e no hospital estou sem duvida em melhores mãos que na ultima gravidez.

32 semanas estão ganhas vou continuar a contar os dias na esperança de conseguir manter o meu pequeno o maior tempo possível comigo – quero muito um parto normal e sem stress... com saúde para curtir a chegada do meu bebé em pleno :)

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Escolinha Montessori - adaptação e dia-a-dia

Adaptação: 

Faz hoje um mês que o Leo iniciou a sua vida escolar :) a adaptação está a correr bem, melhor do que eu pensava. A primeira semana fiquei com ele só umas horas, a segunda semana ficou sozinho, sem choros, uns dias ficava um pouco triste mas depois ficava bem. A terceira semana foi só um dia devido a umas férias programadas na ultima hora - mas que foram maravilhosas - pensei que ele ia regredir por estes dias sem ir mas não, logo o primeiro dia depois das férias ficou lá sem mesmo se despedir de mim :)
Mas hoje exactamente o dia em que faz um mês ele ficou a chorar :( sai de lá com o coração partido...

Tenho notado que ele anda um pouco mais irritado cá em casa, faz mais birrinhas tem menos paciência e quer muito a mamã, mas na escolinha segundo as educadoras ele está bem e é super amoroso. Sei que também eu ando um pouco mais cansada e com menos tempo dedicada a ele, será esse o motivo do choro de hoje? Ele só quer é a mamã por perto...
Hoje vou planear bem a nossa tarde e não há dor de costas ou cansaço que me vão deitar abaixo, vou dedicar a tarde ao meu filho.
Outra coisa que me tem vindo a preocupar é a dificuldade de comunicação que o Leo tem na escolinha, embora pensasse que iria ser um problema grave logo desde inicio, parece-me que está a surgir agora. O Leo é super conversador, passa o dia a falar e por lá não consegue comunicar-se. Ele sabe muito pouco de alemão para manter o mesmo dialógo que faz em português e acho que isso o anda a fazer sentir-se frustrado. :(

Ele tem uma amiguinha alemã já faz quase 2 anos com a qual se dá muito bem, é maravilhoso de ver, com ela, ele fala em alemão e português e ela por o conhecer faz tanto tempo, entende o que ele diz :) na escolinha as outras crianças são super amorosas, ainda hoje queriam todos ajudar o Leo a ficar sem chorar, mas sinto que falta da parte dele essa facilidade de comunicação.
Isto deixa-me tão preocupada, coitado do meu pequeno... Mamãs ou papás que passaram ou passam a mesma situação, como foi com os vossos pequenos?  Não sei como o posso ajudar....
Ou será que estou a fazer uma tempestade num copo de água? E ele logo logo vai estar a falar alemão melhor que eu?! E hoje foi só um dia mau.
Falei com a educadora dele e ela disse que nota que ele comunica mais, mas que ainda brinca mais sozinho, mas na hora das musicas participa muito (ele até já canta em casa uma musiquinha da escolinha :) ) e que é muito bem educado - diz sempre obrigado e se faz favor em alemão :)


A primeira musiquinha que o Leo canta em casa: "O Outono chegou" :)

Dia-a-dia na escola Montessori:

Estou a gostar muito da escola e até agora vai de encontro com todos os meus ideais.
Uma escola pequena com duas salas cada uma com 14 crianças e duas educadoras por sala. Sendo que 2 dias por semana estão 3 educadoras por sala. As crianças têm entre 3 a 6 anos.
Acho maravilhosa a vantagem que esta diferença de idades traz, os mais velhos ajudam os mais novos e  aprendem a ser responsáveis e dedicados aos outros. Os mais novos por sua vez além de se sentirem protegidos têm a quem admirar e seguir como exemplo do que eles irão fazer a seguir.
Logo nos primeiros dias presenciei esta relação e fiquei fascinada. Uma criança mais velha foi voluntariamente sentar-se junto do Leo a ensinar-lhe um joguinho que o Leo tentava fazer.

O dia começa pelas 8h sempre com as crianças sentadas num circulo onde dão o bom dia umas às outras e cantam umas músicas, a educadora conversa com eles, dizendo o que irão fazer durante o dia. E é também hora de as crianças partilharem as suas experiência com os outros, por vezes levam livros ou brinquedos que querem mostrar aos amigos.
Em um dos dias que eu estive presente uma das crianças levou um xilofone feito por ela e o pai dela com tubos de ferro, lindo e fazia um som muito suave. todas as crianças ficaram em silencio ouvindo. :)
Depois segue-se um lanche com muita fruta biológica que é preparada na escola e o pão que cada criança leva de casa.
Não é permitido no lanche a criança levar bolos ou guloseimas, estes ficam restritos aos dias de aniversário em que é feita uma festa especial  - o Leo teve a sua festa logo na segunda semana, farei um post sobre o assunto - um aniversário Montessori.

Depois do lanche têm o momento Montessori, em que cada criança pode escolher o jogo que quiser (sendo por vezes orientada pela educadora) e onde são feitos momentos em grupo, individuais e educadora-criança. É um momento de muita concentração e dedicação de todos nas suas funções.

Segue-se o momento ao ar livre, faça sol ou chuva eles saem para a rua  e brincam no parque da escolinha que é enorme e tem muitos brinquedos.
Almoçam pelas 12h e fazem o momento de calma, no qual as crianças que querem dormir vão para um quarto e as outras ficam na sala a brincar com jogos mais calminhos, a educadora lê livros ou simplesmente ouvem musica e conversam.
E assim acaba o dia :) pelas 14h vou buscar o Leo, algumas crianças ficam até às 16h.

Durante a semana existem 3 dias em que a rotina se altera um pouco:  com o dia da música em que um professor de musica dá uma aula muito animada com muita musica, instrumentos e dança. O dia da ginástica e o dia do passeio na floresta que o Leo adora :)

E é aqui de o meu menino cresce e aprende! Tal como a mamã aqui tinha idealizado.
Como são as rotinas nas escolinhas dos vossos filhos?
E papás de filhos bilingues como correu com vocês?

Partilhem comigo

domingo, 7 de outubro de 2012

Voltei!

Como o tempo passa, mais 10 semanas que lá vão. Só já faltam mais 10 :)
Parei de escrever aqui por falta de capacidade, coisa séria mesmo, não consigo fazer textos com muito nexo. Acho que a gravidez me deixou menos capaz intelectualmente.
Mas, apesar das saudades daqui, posso garantir-vos  que tive dos melhores verões de sempre, aproveitei muito esta maravilhosa fase do Leo. Amo ser mãe, a cada dia que passa tenho mais certeza que este é o meu propósito, é o que realmente me faz uma mulher realizada: Ser Mãe.

Um passarinho :)
Passámos o Verão a aproveitar o sol, muitos passeios, muitos piqueniques, muitas brincadeiras e muitas alegrias. O Leo sempre foi muito conversador, mas agora está maravilhoso demais, é cada conversa, cada história, cada pensamento, cada raciocinio que nos arranca muitos sorrisos e admirações :)
E os desenhos que ele faz? Lindos.


Quanto à gravidez está tudo bem, uma vitória a cada dia que passa, não tarda estou a entrar no desconhecido, na minha primeira viagem de grávida na recta final.
Começo a ter algum inchaço, mas que a natação me tem ajudado a minimizar e estou bem mais tranquila.
Vamos ver até onde chegamos...
Está quase tudo preparado, hospital escolhido, roupinha seleccionada, só falta montar a caminha... e o nome... ai, ai, como está difícil decidir.

O Leo entrou na Kinderhaus (Casa das crianças), a escolinha Montessori dos nossos sonhos. A adaptação, apesar da dificuldade de comunicar em Alemão do Leo foi muito tranquila.
Nos 3 primeiros dias fiquei com ele, depois começou a ficar sozinho, os primeiros dias ficava triste quando eu ou o papá íamos embora mas nunca chorou :) Agora está completamente adaptado e feliz com a escolinha. Depois escreverei um post sobre esta maravilhosa escola :)

Agora deixo-vos mas não por tanto tempo, tenho tanto para partilhar que voltarei muito em breve. Espero que ainda passe aqui alguém... depois de tanto tempo sem escrever nada...

Mas voltei :) e estou muito feliz com a vida... e momentos como este só me podiam deixar assim :)
video

Um bom domingo para todos :)


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...